Professor Conquista

Como orientar os alunos na escolha da profissão?

Na Conquista Solução Educacional, nossos alunos aprendem lições que vão além da sala de aula. Eles são incentivados a desenvolver as competências necessárias para superar desafios do dia a dia, a viver com independência e maturidade e também a tomar as próprias decisões. No fim da trajetória escolar, chega o momento de fazer uma definição muito importante: a da profissão. A preparação para essa escolha deve envolver o aluno, a família e também a escola. Nesse cenário, qual é o papel que a instituição de ensino deve assumir? Qual a melhor maneira de ajudar o aluno? Até onde vai a atuação do coordenador pedagógico e do professor?

Para esclarecer esse assunto, conversamos com Ivo Carraro, professor que atua na orientação profissional de estudantes. Na Conquista, Carraro também é especialista em Educação Familiar.
 

Conquista: Podemos afirmar que a escolha da profissão é um grande desafio para os adolescentes?

Ivo Carraro: Sim, na verdade esse é o maior desafio da vida deles até então. É hora de entender que eles vão sair do Ensino Médio e seguir para o mercado de trabalho. Existem três grandes nascimentos na vida: o biológico, outro aos dois anos, quando você começa a andar, a falar e então se prepara para ir para a escola, e na adolescência, quando nascemos para a vida adulta.
 

C: Qual parte desse desafio o adolescente tem que enfrentar sozinho?

IC: Ele tem que saber o que é uma profissão. A neurociência tem um princípio fundamental sobre profissões que conceitua profissão como uma atividade prática em que se aplicam as inteligências múltiplas. Aqui, inteligência é mais do que o gosto por uma disciplina, é aquilo que a pessoa executa com facilidade. Por exemplo: se ao longo da vida, dos dois anos de idade até o fim do Ensino Médio, o adolescente desenvolveu uma inteligência lógico-matemática, a neurociência sugere que ele siga uma carreira que aproveite essa inteligência ao máximo, como engenharia, ciência, contabilidade e estatística. É dever do jovem perceber qual a sua inteligência e decidir a profissão que quer seguir a partir dela.
 

C: A escola não pode decidir, mas pode ajudar o aluno nesse momento. Como?

IC: A instituição pode ajudar o jovem a perceber suas inteligências. O professor é uma figura importante, porque está sempre observando os alunos. A orientação é para que, ao reconhecer a facilidade do aluno em alguma área, o professor e coordenador pedagógico apresentem opções para a escolha profissional dele, lembrando sempre de falar em inteligências, e não em disciplinas.

MUDANÇA DE OPINIÃO

Segundo Carraro, cerca de 60% dos adolescentes alteram a escolha profissional. Isso pode acontecer mais de uma vez, mas não há razão para se preocupar. “É algo que acontece entre os jovens do mundo inteiro. Na adolescência, o cérebro sofre grandes transformações e a mudança de opinião mostra que ele está trabalhando várias inteligências e se estruturando para a vida adulta”. O professor explica que a maturidade para essa escolha acontece durante a 3ª série do Ensino Médio e orienta que, se o adolescente não conseguir decidir sozinho, deve buscar ajuda profissional.

C: Como a escola pode orientar as famílias nesse período?

IC: Escola e família devem usar a mesma linguagem para conversar com os adolescentes. Os pais devem estar cientes sobre o seu dever e o da instituição de ensino. Encontros e reuniões ajudam a família a entender como o desenvolvimento das inteligências influencia na escolha da carreira. O que não pode é a escola dar um tipo de orientação e a família outra, porque isso cria um campo de ansiedade. A linguagem em comum gera segurança.
 

C: O novo ensino médio propõe uma grade curricular flexível. Qual o papel da escola na orientação dessa formação? O que ela deve fazer para se preparar para esse novo formato?

IC: É preciso ter um projeto pedagógico bem estruturado para potencializar, em cada aluno, suas habilidades individuais. Essas habilidades e ferramentas adquiridas ao longo do ensino é que vão formar a inteligência de cada um e, como já sabemos, é a partir da sua inteligência que o aluno deve decidir pela carreira que vai seguir. A escola deve se preparar com profissionais que pratiquem a educação inclusiva, trabalhando as múltiplas inteligências, e que saibam conduzir o aluno nesse caminho de descobertas.
 
O professor Ivo Carraro é autor do livro Profissões: a vocação dos filhos e o desejo dos pais e tem o projeto “Qual é o seu caminho?”, onde trabalha com a orientação profissional de adolescentes. Para a Conquista Solução Educacional, ele também fala sobre alfabetização, férias, papel da família na educação e outros assuntos. Confira no nosso canal no YouTube!
 
 

COMPARTILHE ESTE POST

Relacionados: